Home »

NOTÍCIAS

12/09/2017 Banco Central acerta em manter ritmo de queda da Selic em 1 p.p. e abre espaço para juros chegarem a 7,5% no fim do ano



 
Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Banco Central acertou ao reduzir a taxa Selic em 1 ponto porcentual (p.p.), passando de 9,25% para 8,25% ao ano. O ritmo de queda foi o mesmo das quatro últimas reuniões (1 p.p.) trazendo, conforme projeção da Entidade, a Selic para um dígito logo no início do segundo semestre e se aproximando do patamar de 7% a 7,5%, que é a projeção da Federação para o fim do ano. Essa redução continua sendo possível considerando a fraca atividade econômica hoje, combinada a um ambiente político menos hostil, ainda que muito complexo e incerto para padrões de economias desenvolvidas.

Além disso, a deflação recente e o patamar do IPCA abaixo de 3% no acumulado de 12 meses ajudaram o BC a tomar essa decisão e devem ser motivo, segundo a Entidade, para ao menos mais uma queda entre 0,5 p.p. e 1 p.p. na reunião de 24 de outubro, a penúltima do ano.

Para a FecomercioSP, a atitude do Banco Central parece a mais sensata diante do quadro, no qual a inflação continua em queda, o desemprego se mantém elevado e os sinais de recuperação da atividade econômica ainda estão fracos. A Entidade pondera ainda que, ao que tudo indica, o Copom mira uma inflação de 4% no ano que vem (acima da atual, portanto, há espaço para queda de juros), ou seja, essa não foi a última redução de juros desse ciclo de queda da Selic, iniciado no segundo semestre do ano passado. O IPCA e o INPC ficaram ao redor de 2% no acumulado entre agosto de 2016 e julho de 2017, um dos menores patamares históricos e até abaixo do mínimo estabelecido nas metas de inflação.

As decisões do Banco Central, segundo a Entidade, têm se pautado em argumentos técnicos, sem que o banco fique alheio aos meandros do ambiente político e os seus efeitos sobre o lado real da economia e sobre os mercados. Para a Federação, o órgão não faz política monetária olhando apenas para a inflação presente e acumulada no passado, ou para a taxa de desemprego e nível de atividade instantâneo, mas também a faz de olho nas projeções futuras, nos juros do mercado financeiro e no risco percebido pelos investidores. Neste momento, a Bolsa volta ao patamar de antes de maio (no epicentro da crise) assim como câmbio, juros futuros e mesmo o Risco Brasil.

Na análise da Entidade, tudo indica que o cenário é de recuperação, mas gradativa e lenta, sendo possível manter o ritmo de queda de juros por mais um tempo sem colocar em risco as metas de inflação deste ano e do próximo. Com isso, as taxas de juros podem cair mais um pouco, chegando ao fim de 2017 - quando a inflação parar de cair e até mostrar sinais de convergência para um patamar entre 3,5% e 4% - perto de 7,5%. Apenas se houver aumento das incertezas político-econômicas é que o Banco Central poderá rever sua ação. O tema mais relevante neste momento é, segundo a FecomercioSP, a aprovação da Reforma da Previdência, essencial para o equilíbrio fiscal de médio e longo prazos.



Imagem meramente ilustrativa


Impressão das Contribuições



Para emitir a sua contribuição, preencha o campo abaixo e clique em "Continuar"



TV SincoElétrico



Conheça nossos colunistas




Arnaldo Jardim
  secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Aguarde, processando as informações!


Cadastre-se para receber nossa newsletter



Tenha acesso a serviços e promoções exclusivas.





O SincoElétrico fica na Rua Conselheiro Crispiniano, 398 - 9° andar
Centro - São Paulo/SP - CEP 01037-001
Telefones: (11) 3333-8377 / Fax (11) 3333-8370
Logos Alfaiataria Digital